quarta, 15 novembro 2017 16:28

“Empresa azul – sem tabaco”: há três anos a criar locais de trabalho livres de fumo

Com o objetivo de “promover um plano de ações em empresas, para criar locais de trabalho livres de tabaco, não numa perspetiva de mera proibição, mas resultante de adoção de hábitos de vida saudáveis”, a Pulmonale – Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão desenvolve desde 2014, o projeto “Empresa azul – sem tabaco”. Ao fim de três anos a Dr.ª Isabel Magalhães, atual presidente da Associação, garante que o balanço é “positivo”, mas deixa um aviso: “o êxito do programa em cada empresa passa muito pelo envolvimento que os decisores/chefias assumem”.

As empresas azuis são aquelas que “trazem o combate ao tabagismo para fora dos consultórios médicos”, começa por explicar a Dr.ª Isabel Magalhães. Com o objetivo de criar locais de trabalho sem tabaco e, consequentemente, prevenir doenças pulmonares, entre as quais o cancro do pulmão, para além da sensibilização para a problemática do tabagismo, a Pulmonale promove a realização de consultas de cessação tabágica nas instalações das empresas. Segundo a Dr.ª Isabel Magalhães falamos de um projeto “diferenciador” que junta a sensibilização, as consultas e a promoção de estilos de vida saudáveis na própria empresa.

Assim, criar uma empresa azul implica uma “cultura de promoção de hábitos saudáveis, que se transportam também para a vida de cada um dos colaboradores, em contraponto com empresas em que, por obrigatoriedade da própria lei, apenas é proibido fumar”, clarifica. “Sabendo que as pessoas passam a maior parte do dia no local de trabalho é fundamental incentivar as empresas a criarem politicas antitabagismo, capazes de promoverem estilos de vida mais saudáveis”. Desta forma, a Pulmonale materializa a sua principal missão: a prevenção.

Entre as principais vantagens desta projeto a Dr.ª Isabel Magalhães destaca a promoção da literacia em Saúde, centrando também nas empresas a função de contribuírem para a consciencialização de colaboradores cada vez mais saudáveis. “Entretanto, as pausas para fumar também deixam de acontecer”, acrescenta. Para finalizar, acrescenta que “já há empresas, noutros países, a estudar a possibilidade de diferenciar os dias de férias em função do facto de o trabalhador ser ou não fumador”.

Ao longo destes anos “várias dezenas” de empresas já contactaram a Pulmonale e o projeto foi implementado com sucesso. No entanto, a presidente da Associação garante que “o êxito do programa” depende do “envolvimento que os decisores/chefias da mesma assumem”.

Login

Newsletter MyPneumologia

Receba a nossa newsletter

PUB

 

Planning

Respi Planning

Com o apoio da SPP

Oxigénio

APOIOS:
.......................

Bristol-Myers SquibbBoehringer IngelheimGSKMSDMylanRocheTakeda